fbpx

Invista no Visual Merchandising e Store Design

Com a entrada e investimento de algumas marcas em Portugal, o setor do retalho continua em expansão, registando um volume de vendas de 20.945 milhões de euros e um crescimento de 3,4%, em 2018, face ao ano anterior (APED).

Este contexto económico gerou uma maior procura de profissionais altamente qualificados e novas oportunidades de carreira, como a função de store manager e de visual merchandiser.

Aliás, o setor do retalho em Portugal é responsável por quase meio milhão de empregos.

Esta é, sem dúvida, uma atividade económica, que cria riqueza, é inovadora e oferece carreiras desafiantes e de futuro.

Como tal, invista numa das áreas de retalho mais dinâmicas, criativas, bem remuneradas e cuja procura é cada vez maior: o visual merchandising.

O que é o Visual Merchandising?

O visual merchandising é uma ferramenta de marketing, que valoriza os produtos, as marcas e os pontos de venda para atrair clientes, motivando-os a realizar compras.

Através da aplicação de certas técnicas, o visual merchandising combina várias áreas, como o marketing, a gestão, a comunicação visual, a arquitetura e o design de interiores.

O objetivo é melhorar a experiência de consumo das pessoas no espaço físico.

Investir em vitrinismo, visual merchandising e técnicas de exposição de produtos é, por isso, fundamental para desenvolver uma estratégia de sucesso de marketing e vendas.

Além disso, o visual merchandising aplica-se a qualquer área de negócio retalhista (alimentar e não-alimentar) e dimensão de empresa, desde uma loja de bairro a uma cadeia internacional.

Pós-Graduação em Visual Merchandising e Store Design
Loja da Mango

O Visual Merchandising ajuda a vender mais

Segundo a Nielsen, 70% da decisões de compra acontecem na loja.

Como tal, além de atrair novos clientes, o visual merchandising estimula o processo de compra. Se a experiência for agradável, é bastante provável que os clientes regressem à loja, contribuindo para a sua fidelização.

A FUNÇÃO DO VISUAL MERCHANDISER É IMPORTANTE PARA:

  • Criar uma identidade de loja e personalizar o ambiente, destacando-a da concorrência
  • Oferecer uma experiência única e diferenciada, de acordo com o perfil dos clientes
  • Estimular o primeiro contacto com a loja, através da montra e fachada, tornando-a mais atrativa
  • Atrair os consumidores, através da forma de organização, distribuição e design do espaço, tornando a sua experiência mais agradável
  • Melhorar o ambiente da loja, tendo em conta todos os detalhes, que fazem parte da jornada de compra. Desde a apresentação da equipa e dos produtos, passando pela iluminação, cores, decoração, sinalética, banners, mobiliário, manequins, música e aroma
  • Seduzir e interagir com os consumidores, através de técnicas, que estimulem os sentidos – visual, auditivo, tato, cheiro e sabor – de acordo com a imagem da marca

A Pós-Graduação em Visual Merchandising e Store Design, da Autónoma Academy, apresenta um programa completo para quem pretende desenvolver uma carreira no retalho.

O curso inclui módulos como Retail Management, Trends & Consumer Culture, Conceção de Espaços, Design e Técnicas de Comunicação em Ambiente de Loja, Merchandising, Retail Design e Técnicas de Vitrinismo.

store design
Interior da Loja Moncler

7 Tendências de Visual Merchandising para 2019

Para trabalhar na área de visual merchandising e store design é fundamental dominar algumas técnicas e ferramentas, mas também estar atualizado sobre as tendências de mercado e o que a concorrência está a fazer.

Contar histórias através de storytelling, criar ambientes diferenciados e experiências únicas, recorrer às novas tecnologias de informação e introduzir práticas sustentáveis no ponto de venda são algumas das iniciativas usadas, pelos profissionais de merchandising.

Pós-Graduação em Visual Merchandising e Store Design
Montra da Louis Vuitton em Sloane Street, Londres

1. Apostar na experiência completa do cliente

É importante proporcionar uma experiência completa do consumidor no ponto de venda.

Elementos como a fachada da loja, a organização e a gestão do espaço, os estímulos sensoriais e a equipa de apoio ao cliente são fundamentais para gerar vendas.

Uma montra atrativa convida o cliente a entrar na loja. Por isso, aposte em elementos que surpreendam e despertem a atenção das pessoas, como manequins, adereços e fundos, que criem um impacto positivo na mente das pessoas.

Pode, por exemplo, inspirar-se num destino, cultura local, tendência de moda ou data temática.

Tendências Visual Merchandising
Loja da Loewe, em Londres

 

Já no interior da loja, o objetivo é facilitar a vida ao cliente. Aqui, convém não esquecer detalhes importantes, como a iluminação, o cheiro e a música ambiente.

Os artigos em destaque devem estar em locais de fácil acesso e visualização, à altura dos olhos dos clientes. E as promoções devem estar bem visíveis.

A exposição dos produtos, bem como a colocação de espelhos e de provadores, em locais estratégicos, facilita ainda a experimentação dos artigos.

Pode também apostar na organização de workshops para levar as pessoas a experimentar os produtos na loja.

Outra dica, é colocar os produtos de menor valor, junto à caixa de pagamento, para aumentar as suas vendas.

Nas boutiques Nespresso, a marca aposta num serviço personalizado ao cliente, explicando a origem e a composição do café, seguido de uma prova no Coffee Bar. Além disso, incentiva os clientes a entregarem nas lojas as cápsulas usadas para reciclagem.

2. Saber contar uma história: Storytelling

O Storytelling é a capacidade de contar histórias de maneira relevante, com o apoio de recursos audiovisuais. É um método que promove o negócio, mas numa vertente mais persuasiva do que comercial.

O objetivo é cativar a audiência e despertar emoções, através de uma narrativa.

Como tal, é essencial conhecer o perfil dos seus clientes para que a mensagem seja mais personalizada e assertiva.

Mas como pode fazer storytelling através do visual merchandising?

Aproveite datas comemorativas, como o Dia dos Namorados ou o Halloween, ou as tendências de moda do momento, como os anos 80, para contar uma história.

Surpreenda os clientes com elementos decorativos, como frases, cores e imagens, relacionadas com a temática escolhida. Assim, o cliente será envolvido no universo da marca.

3. Integrar novas tecnologias de informação e de interação

Com a nova geração de millenials, a forma de consumo mudou. É fundamental que os retalhistas proporcionem experiências mais envolventes e interativas com os consumidores.

Os clientes recorrem, cada vez mais, aos smartphones. Quer seja para pesquisar e comparar produtos, antes de tomarem uma decisão, quer seja para partilharem conteúdos nas redes sociais.

Visual Merchandising e Store Design
Corner na flagship store da L’Occitane en Provence

 

A marca L’Occitane en Provence criou uma flagship store, com um cenário local decorado com elementos da natureza e bicicletas. Este espaço convida os clientes a tirarem fotografias para o Instagram, sendo depois as imagens automaticamente exibidas num video wall.

As novas tecnologias de informação, como a realidade aumentada, devem ser integradas na estratégia de visual merchandising.

Lembre-se de que quanto mais exclusiva for a experiência, mais impacto terá junto dos consumidores.

Realidade Aumentada
Campanha de Realidade Aumentada da Zara

 

Em abril de 2018, a cadeia de moda Zara disponibilizou uma experiência de realidade aumentada, em 120 lojas, a nível mundial, durante duas semanas. Com um smartphone, a aplicação ZARA AR e distribuição de QR Codes nas lojas, o cliente assistia ao desfile da nova coleção Studio SS18 no seu dispositivo móvel.

ALGUMAS DAS DINÂMICAS, QUE OS PROFISSIONAIS PODEM INTEGRAR NO ESPAÇO FÍSICO:

  • Colocar QR Codes, que levem o cliente a interagir com a marca, através do telemóvel
  • Criar aplicações na loja, em que as pessoas possam experimentar e visualizar o resultado de produtos (maquilhagem, coloração para cabelo ou roupa)
  • Incentivar ao uso de hashtags e partilha de conteúdos nas redes sociais.

Em 2018, a marca de moda Mango implementou espelhos inteligentes nos provadores, que permitem fazer a leitura digital de uma peça de roupa e contactar automaticamente um colaborador da loja para pedir diferentes cores e tamanhos. Além disso, o espelho sugere outras peças de roupa para complementar a primeira escolha do cliente.

4. Respeitar o meio ambiente e o consumo consciente

Uma das tendências de consumo são os temas relacionados com a sustentabilidade.

Utilizar materiais reciclados é uma boa opção de respeito pelo meio ambiente. Mas também fazer o reaproveitamento de peças comuns na decoração.

Tendências em Visual Merchandising e Store Design
Café com reaproveitamento de materiais decorativos

 

Como é o caso de usar caixas de madeira pintadas como prateleiras; fazer um candeeiro com cabides de roupa; criar um canto com livros, no local de espera; ou colocar bicicletas antigas como suporte.

A ideia é economizar nos materiais, mas também acrescentar elementos surpresa, inovando na decoração.

5. Investir na criatividade e criação de ambientes

Além das questões relacionadas com o consumo consciente, investir na criatividade e na criação de ambientes distintos, pode agregar valor à marca.

store design
Loja Ikea no Fórum Sintra

Podem ser criados espaços onde seja necessária uma maior privacidade para o cliente, como salas privadas com atendimento VIP, como é frequente nas marcas de luxo. Ou então, apostar numa decoração temática diferenciada.

A cadeia de restaurantes Hard Rock Café é conhecida pela atmosfera musical, ao oferecer concertos de música ao vivo, bem como expor objetos relacionados com artistas famosos, como roupa usada em digressões, instrumentos musicais e fotos autografadas.

6. Garantir uma Iluminação Dinâmica

Uma das vertentes mais importantes no Retail Design é a iluminação, já que pode tornar o espaço mais acolhedor ou, pelo contrário, deixá-lo desconfortável.

Sabia que uma má iluminação no provador pode levar o cliente a desistir da compra?

De igual modo, as luzes muito fortes e coloridas podem perturbar e provocar desconforto nas pessoas, pelo que devem ser usadas com moderação.

A iluminação deve servir para destacar um objeto específico, criar um ambiente confortável para os clientes e realçar determinadas áreas da loja.

Por exemplo, os artigos em destaque e junto à caixa devem ter uma boa iluminação, para captar a atenção do cliente.

7. Integrar as Tendências de Consumo

Um das tarefas do visual merchandising é conhecer as tendências atuais, de modo a integrar novos elementos no ponto de venda.

As cores, as texturas e os materiais utilizados na montra, bem como no seu interior, podem chamar a atenção e despertar o interesse das pessoas.

Tendências Visual Merchandising Pantone
Catálogo com as tendências de cores e design para o ano de 2020 do Pantone Color Institute

 

O Pantone Color Institute lança um novo catálogo de cores tendência, todos os anos, que ajuda os profissionais a tomarem decisões informadas, sobretudo nas áreas de design, cosmética, moda e mobiliário.

O visual merchandiser deve pesquisar, com antecedência, quais são as tendências do seu setor de indústria e recorrer à criatividade, aplicando-as de forma estratégica no espaço.

Para tal, deve ter formação adequada, de forma a dominar as melhores técnicas e ferramentas na área de merchandising e store design.

Este site faz utilização de cookies de forma a garantir uma melhor experiência de navegação e recolha de dados estatísticos de tráfego. Ao continuar neste website estará autorizar a sua utilização.